Quarta-feira, 30 de Abril de 2008

Também eu gosto de os juntar...



.
 

Versão prosa

 

O redemoinho é um sorvedouro que roda-a-roda vai rodando num rodopio e quase sem pio, piamente sobem a calçada num corrupio, pedal-a-pedal vão pedalando, rodando num torvelinho que vai de um até ao outro, com o burburinho, sem qualquer coisa de intermédio,  nem sequer um pi (ou) lar nesta ponte de tédio, que vai do redemoinho até aos putos da bicicletada que ficaram no intermédio.

 

Que me desculpe o Mário, o Sá e o Carneiro pela caldeirada e por todas esta açorda dum buraco com bicicletada.

 

Então, e os putos!?

Coitados, deram à perna para toda esta trapalhada.

 

Felizes sonhos, para os que ainda sonham!

 

 

.

.


Versão poesia

 

O redemoinho é um sorvedouro

que roda-a-roda vai rodando num rodopio e

quase sem pio

piamente sobem a calçada num corrupio


 

pedal-a-pedal vão pedalando

rodando num torvelinho

que vai de um até ao outro,

com o burburinho,

sem qualquer coisa de intermédio,  

nem sequer um pi (ou) lar nesta ponte de tédio,

que vai do redemoinho até aos putos da bicicletada

que ficaram no intermédio.

 

Que me desculpe o Mário

o Sá

e o Carneiro pela caldeirada

e por todas esta açorda

dum buraco com bicicletada

 

Então, e os putos!? Coitados...

deram à perna pra toda esta trapalhada

 

Felizes sonhos, para os que ainda sonham!

 

Até ao próximo poste!

 

publicado por fr às 03:35
link do post | comentar | favorito
Domingo, 27 de Abril de 2008

E assim foi temperado o aço...



.

E assim foi temperado o aço, com esforço, suor e lágrimas. Matéria nobre, pode ser, mas também tem os seus parasitas. Os de cor, são só para disfarçar. Os verdadeiros, também têm cor, mas também esses são feitos de outra matéria. E assim foi temperado o aço…

tags:

publicado por fr às 00:25
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 18 de Abril de 2008

||||||||||||||||| - pois! mas nem tudo que parece, é!



.

Aos que me costumam visitar por aqui:

 

- Não me desculpem as minhas ausências, pois são imperdoáveis como imperdoável é deixar de fazer e por de lado aquilo que mais gostamos.

 

A vida é breve e simples, está-nos no ser de sermos animais vivos, a inteligência, que dizemos faltar aos outros animais, é que complica tudo e, ser simples, não nos foi suficiente. Complicamos, complicamos tudo cada vez mais como a engrenagem de um relógio mecânico, como se os dias, as noites, as luas e as primaveras não existissem para contar o tempo.

 

É precisamente que por falta desse tempo que é contado pelos relógios, que as minhas ausências se fazem sentir…antes fosse linha, recta, e seguisse o meu destino sem fim, pois no seu devaneio, as linhas paralelas também divergem… há no entanto quem as veja convergir, e aí é que está o problema. Complicamos tudo para viver uma vida sofridas e merecermos o céu. O problema está em se acreditar ou não, e por isso as divergências das linhas paralelas não passam de uma ilusão. Saberei eu o que estou a dizer!?

 

Adeus, refugio-me mais uma vez nas minhas ausências, pois lá terei que seguir a divergência das linhas até que cansado das engrenagens, faça inversão e escorregue pela convergência das linhas até ao ponto de partida. Linhas amarelas, cor feia, disse uma vez o mestre, mas até aqui nestas simples linhas amarelas, há quem veja linhas negras. Ou serão pretas!? Lá estamos de novo a complicar o que é simples.

 

Definitivamente, retiro-me.

 

Até ao próximo poste (tradução para português de Portugal de post – esta é outra que nunca entendi…) complicados!

tags:

publicado por fr às 03:09
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 9 de Abril de 2008

Reflexo(õe)s



.

Reflexos ou reflexões, afinal é isso mesmo. Num simples assento e acento temos o reflexo das reflexões.

 

É tudo uma questão de ões!


publicado por fr às 02:50
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Abril de 2008

Com Norte, desnorteado...



.

Depois de uma mãe e um pai é na casa que encontramos o Norte. Na casa dos pais, na nossa casa.

 

Despojados da casa, estamos despojados dos sonhos e do nosso ser, pois só em casa é que ficamos reduzidos à nossa verdadeira insignificância, porque, ó ilustre mortal, como diria o nosso poeta maior FP, não temos importância nenhuma e sem nós correrá tudo sem nós.

.


.

 

Curiosamente, é por saber-me insignificante e sem importância que a vida vai correndo para mim, colorida como deve de ser ou como eu penso e julgo. Também porque a minha casa ainda tem telhados.

tags:

publicado por fr às 03:13
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Abril de 2008

O encanto da poesia

 

.

Tudo tem a sua dose de encanto e poesia, o problema está em saber dosear a dose e a toma de cada um.

.

 

 


publicado por fr às 13:16
link do post | comentar | favorito

.Para acompanhar

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Sobre a calçada

. Um elogio ao equinócio da...

. Reflexos flavienses

. Nyc - Reflexos

. Devaneios Fotográficos

. Outros sabores à margem

. New Yorker

. Reflexos

. Amsterdam

. De volta com Street art -...

.arquivos

. Julho 2017

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Junho 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Março 2005

.tags

. todas as tags

.ligar a:

.Creative Commons

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

.Desde 09-01-07

.Estão a espreitar

online

.G+

blogs SAPO

.subscrever feeds